Driblando a crise


A instabilidade financeira do Brasil não atingiu em cheio o mercado de casamentos. Um fenômeno comum nestes momentos, que é de se adaptar as circunstâncias, levou este nicho de mercado a um crescimento de 25% entre 2013 e 2016. É o que aponta a pesquisa recém divulgada pela Associação Brasileira de Eventos (Abrafesta).

Foto

Segundo a pesquisa, o mercado de festas e cerimônias movimentou R$ 17 bilhões ano passado no Brasil, e as regiões Sudeste e Sul têm a maior taxa de casamentos formais, e consequentemente registram maior gasto no setor.

Ninguém está deixando de casar. O que está acontecendo é uma reformulação do planejamento e a diminuição do tamanho da festa. Os casamentos com 300, 400 convidados está “fora de moda”, ou fora da realidade econômica do país. A tendência são eventos para 100, ou no máximo 150 pessoas, com cerimônia e a festa realizadas no mesmo lugar.

O mercado de casamentos vive de novidades, e essa está sendo a grande saída para realizar belos eventos, gastando menos. Não é à toa que nos últimos anos a grande tendência são casamentos rústicos, no campo, na praia, com produtos diferenciados e na melhor forma DIY - Do It Yourself – Faça você mesmo.

Este fenômeno está incentivando principalmente as micro e pequenas empresas, que estão ganhando mercado e crescendo em meio à crise.

Comentários