Minimizando a ansiedade da volta às aulas

Foto: Divulgação

Estamos começando um novo ano letivo, e não importa a série ou idade do estudante, o retorno às aulas, ao ambiente escolar e à rotina de estudos pode ser um período de muita expectativa e motivo de agitação. Nas crianças que estão iniciando a vida escolar, ou mudando para uma escola nova, a ansiedade é muito comum e pode atrapalhar na adaptação ao novo ambiente. Saber lidar com esses sentimentos faz parte do crescimento e amadurecimento dos filhos, e cabe à família, bem como à escola e professores, transformar esse momento em algo natural e produtivo.

Entre os pequenos, a apreensão diante do desconhecido é fortemente visível e pode ser experimentada de duas formas: aqueles que já frequentavam a escola ficam preocupados sobre a nova turma e professores, pensando se vão reencontrar os amigos ou “sofrendo” pela separação do mestre do ano anterior, e os “novatos” ficam nervosos sobre o que esperar. É normal as crianças se sentirem inseguras, mas por outro lado elas também estão empolgadas e felizes com a possibilidade de rever os colegas e professores que fazem parte do dia a dia escolar.

Para aqueles que vão à escola pela primeira vez, nos primeiros dias o choro pode estar presente diante da angústia da separação, principalmente quando a situação é nova para a criança. E nesses casos, os pais também podem estar bem angustiados e ansiosos sobre como a criança irá reagir. Porém uma boa adaptação requer, antes de tudo, a segurança dos pais. Confiar na instituição escolhida, conhecer as dependências da escola, o projeto pedagógico e as rotinas que os filhos terão no dia a dia costumam ajudar a construir essa relação de parceria que é essencial para o sucesso do processo.

A escolas geralmente oferecem um período de adaptação e a equipe estará preparada para receber os “calouros” de forma prazerosa e buscando minimizar os desconfortos, mas é sempre aconselhável acompanhar atentamente as reações da criança neste período. Uma boa forma de avaliar o bem-estar da criança na escola é observar e avaliar como ela sai da escola, que emoção ela demonstra no momento de reencontro com os pais.

Converse com seus filhos: conte suas experiências felizes quando era estudante, envolva a criança na compra do material escolar de maneira animada, fale sobre as coisas legais que se pode fazer na escola, dos amigos que vai conhecer... Faça da ocasião um momento divertido de interação e procure valorizar a experiência dela, dando ênfase a quanto vocês, família, estão felizes de ela estar lá. Pais que se interessam pelo dia a dia escolar tendem a exercer uma influência positiva, e isso se reflete no comportamento da criança.

Para os maiores, que estão retornando às atividades ou indo para uma nova escola, a dica é ajudar na organização e no planejamento da rotina de estudos, sempre salientando os pontos positivos sobre começar algo novo, uma chance de iniciar novas amizades, ampliar os conhecimentos e a autonomia. Conversar sobre as expectativas deles, os projetos ou atividades que gostariam de realizar, e ajudá-los a gerenciar seu tempo de estudo auxilia bastante no processo de readaptação à vida escolar.

Durante as férias a rotina e os horários são mais flexíveis, portanto é importante insistir no retorno aos hábitos do dia a dia: delimitar um horário adequado para dormir, bem como limites no tempo que passam brincando, jogando videogames, ou usando o computador ajuda a criar o foco necessário para o bom desempenho das atividades escolares. O celular, que muitas crianças e adolescentes usam constantemente, deve ficar fora do quarto de dormir ou ter um horário para ser desligado, garantindo uma boa noite de sono nos dias de aula.

Ajude seu filho a se organizar, providenciado um lugar adequado para realizar as tarefas escolares. Se não for possível ter um cantinho de estudos próprio, você pode improvisar um pequeno mural ou quadro de avisos na cozinha, na porta da geladeira, na sala. Oriente e supervisione o uso da agenda escolar para anotar o que precisa ser feito, ou crie um “checklist” diário para que a própria criança ou jovem aprenda a se responsabilizar pela sua rotina e saber quando suas atividades acontecerão. Fazer cartazes com horários e materiais que serão usados em cada dia da semana e expô-los em locais visíveis facilita a memorização e cria o habito de conferir o que é necessário para cada dia. Essa previsibilidade aumenta a segurança e a autonomia da criança.

Mas lembre-se que nada substitui um olhar atento e a abertura ao diálogo sobre as experiências dos filhos na escola, e o interesse pelas suas emoções e atividades! Não foque demasiadamente no desempenho escolar, pois se tudo estiver correndo bem do ponto de vista afetivo, é muito provável que não ocorram maiores dificuldades. Se estas surgirem, procure conversar e entender o que está acontecendo, sem cobranças ou comparações. Caso seu filho(a) demonstre desconforto, timidez, ansiedade excessiva e problemas de socialização e adaptação, procure a equipe de profissionais que a escola oferece, seja professor, coordenador ou psicopedagogo, para conversar sobre possíveis alternativas de intervenção. Nada substitui o diálogo e a parceria entre a família e a escola para uma experiência escolar agradável e satisfatória!

Bom retorno às aulas!

COMPARTILHE

COMENTÁRIOS